segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Esquecendo as entrelinhas



Sussurre ao vento meu nome e o faça reproduzir uma sinfonia a dizer que me ama.

Quando abro os olhos a despertar do sono por instantes não vejo as cores do mundo, meus sonhos são visíveis e quase os posso tocar. Lentamente vou tomando a realidade em meus braços ao mesmo tempo os olhos mareados pela falta do que nunca tive vão refletindo as inquietações da alma a muito perdida em abismos escuros a procura de seus beijos.

É, não sou mesmo um bom guia a mim mesmo. Por vezes me perco em pensamentos em plena fuga, tropeço sempre em suas lembranças e, curiosamente, nem conheci a textura de sua pele, igualmente desconheço o sabor de seus beijos, conheço apenas o perfume e a intensidade de sua palavras, sei que se confunde as vezes com o cheiro das flores que plantei no jardim a indicar o caminho da estrada por onde você sempre passa rumo aos meus braços. Quem sabe assim você percebe que eu existo e apesar da distância e da aparente dificuldade que há pode ser que as coisas se acertem e você perceba que gosto de você. Vale tentar.

Sempre tento, a menos que perceba e saiba que a tentativa é perdida, lançada em uma jogada já falha por já haver um desbravador em seu coração. Se eu pudesse encontrar com ele mediria a extensão do amor, só não sei quem me deu esse direito. Talvez não precise dele, precise apenas dizer a alguem que amo, quem sabe esse carinha fuja ao ver em meus olhos a imagem de seu sorriso com um nariz de palhaço.

Perdido vou escondendo as coisas, só não consigo esconder de minha mente. Ela vasculha possibilidades e mergulha nas incertezas. Eu nem sei direito quem é você, só conheço as entrelinhas de suas linhas e busco nestas as verdades que quero ouvir. Estranho é a paixão, a gente a segura com as mãos e a perde entre os dedos, o espaço de fuga é exatamente a distância entre o que penso que sei e o que realmente sei de você.

Ocorre a mim que não sei dizer claramente o que quero, e é tão chato por que nem sei se posso deslocar espectativas a você, é muito estranho tudo isso, estranho até para traduzir as inquietudes que se chocam em minha mente. Muitas vezes nos apaixonamos pelas possibilidades e deixamos o concreto correr entre as frestas, daí o tempo passa e este endurece e já não é nosso, assentou os azulejos de outras construções.

Seria simples fazer diretamente a pergunta – Você está a fim de saber o que sinto? - Falta a a coragem de saber se posso. Sussurre ao vento meu nome e o faça reproduzir uma sinfonia a dizer que me ama. Quero arrancar o nariz de palhaço que esconde seu rosto e tomar seus lábios em meus, conhecer as linhas e enterrar as entrelinhas.
Caio Jj César

Um comentário:

Cris Santos disse...

Cara, faz tempo que não passo por aqui ...
Sempre tenho dificuldades para comentar os seus textos, tenho que ler duas, três vezes; Talvez por tratarem de sentimentos e esse sempre é um tema complexo... Seja como for, vou roubar um monte de pedaços de frase desse seu post rs. Muito bom!

Esse vicio inexplicável em alguém que nem conhecemos direito eu acho que sei bem o que é... Engraçado é como nos parecem fáceis os momentos em que não temos nenhuma chance e como nos enchemos de duvidas do tipo: “será que é isso mesmo o que quero?” no justo momento em que a garota parece disposta a nos dar alguma chance. E nesse vai e vem entre o sim e o não, alguém mais pratico entra no jogo e a toma de nossos dedos... Só depois que perdemos a batalha descobrimos que queríamos lutar rs. E pode nem ser o caso, e ela seja apenas uma fuga, uma forma de dizer a nós mesmos que esta faltando algo.
Certamente seria mais aconselhável arriscar e ter as respostas de uma vez por todas, mas nada parece tão simples, complicamos, só que é aquela velha historia, no fim das contas é melhor um não, morrer, para que depois da fossa possamos partir para outra e voltar a vida, do que sobreviver num eterno talvez...
É estranho quando a única coisa que verdadeiramente sabemos de nós mesmos é que não nos conhecemos rs, mas acredite, não há melhor guia do que a própria pessoa e não haverá outras metades enquanto não estivermos inteiros.
Acho que viajei e fugi do assunto... Disse que tinha dificuldades para comentar os seus posts! rs

Obs.: Sobre o visual do blog, é um template grátis que eu achei na net mesmo, qualquer duvida pode falar...

[]s